Chevrolet Monza

Eram os anos 1.970 e as fábricas buscavam economia na produção e surgiu o carro mundial.  A matriz escolhia em suas subsidiárias quem iria desenvolver cada parte do projeto e depois de pronto esse carro e sua família seria vendida em todos os mercados onde atua a marca. O carro mundial adotava as características locais, mas era um projeto global. A Chevrolet entrou nessa onda com o projeto J. Os motores e câmbios foram desenvolvidos pela japonesa Isuzu e a carroceria pela Opel da Alemanha. Aqui o J recebeu o nome de Chevrolet Monza e chegou ao mercado em abril de 1.982 e de imediato se colocou como carro mais avançado do país. O Monza era moderno, mas o motor 1.6 se mostrou muito fraco para o gosto do brasileiro e a engenharia da Chevrolet trabalhou duro e seis meses depois lançou o lendário motor 1.8.

Chevrolet Monza 1.982

Chevrolet Monza hatch

Em 1.983 chegava ao mercado a versão sedã de 2 e 4 portas e ai o sucesso do Chevrolet se realizou. O Monza mudou a cultura do brasileiro em preferir carros 2 portas, com ele aprendemos a gostar de sedãs de 4 portas e pela primeira vez esse tipo de carro vendia bem em nosso mercado.

Chevrolet Monza sedã

O interior era outro destaque e trazia um painel com ótima ergonomia algo impensável para os carros brasileiros do início dos anos 1.980 e o Monza ia virando sonho de consumo.

interior do Monza entre 1.982 e 1.985

A Chevrolet acreditava tanto no seu produto que resolveu inovar mais uma vez e lançou uma atualização do carro no meio do ano e assim surgiu o famoso Monza 85 e meio. Esse “novo” Monza ganhou uma grade nova e um interior ainda mais completo e luxuoso, resultado: as vendas explodiram!

Chevrolet Monza 85 e meio

interior mais luxuoso do Monza 85 e meio

começava a história dos encostos de cabeça ajustáveis.

Painel completo, era o Monza 85 e meio

O Chevrolet Monza tinha sido o carro mais vendido do Brasil nos anos de 1.984, 1.985, 1.986 mesmo não sendo um compacto popular, nesse período ele ganhou vários prêmios entre eles foi Carro do Ano da revista Auto Esporte nos anos de 1.983, 1.987, 1.988 e foi considerado o carro da década de 1.980 além de se tornar o “queridinho da classe média”, vale lembrar que naquela época não era nada fácil ter um carro e ainda mais um médio de luxo. A Chevrolet investiu então em duas frentes para apimentar ainda mais as vendas e frear a concorrência germânica do Volkswagen Santana, lançou o Monza SR um esportivo na carroceria hatch e a super luxo Classic com direito a pintura duas cores no estilo saia e blusa. Outro membro da família chegou a ser testado pela montadora para ser rival da Volkswagen Quantum, mas acabou ficando só na intenção e só veio ao mercado pela empresa de transformação de veículos chamada Envemo.

Chevrolet Monza SR

volante exclusivo da versão SR

bancos Recaro exclusivos da versão esportiva do Monza

Chevrolet Monza Classic e sua versão “saia e blusa” de duas cores! era o máximo do luxo e da exclusividade.

Chevrolet Monza Classic máximo em luxo!

Chevrolet Monza perua ficou só nos testes

A Revista Quatro Rodas testou a perua Monza na edição 300 de julho de 1.985, mas ela era feita pela Envemo tendo como base o sedã de 4 portas.

propaganda da Envemo sobre a transformação do Monza em perua!

numa época em que lançamentos na industria automobilística nacional eram raros a perua Monza da Envemo ganhou a capa da revista Quatro Rodas.

Em 1.987 o Chevrolet Monza já dava sinais de estar cansando no mercado e a Chevrolet resolve dar novo folego ao modelo adotando em toda a linha o motor 2.0. Em 1.988 mais um tapa no visual com a adoção de uma saia mais moderna na dianteira dando a impressão de para choques envolventes e lentes dos faróis retas, mas estava claro que o Monza tinha perdido o apelo de modernidade e precisava de mudanças mais profundas, a versão hatch saia de linha naquele ano.

Chevrolet Monza 1.988

detalhes das modificações do Monza 1.988

Monza primeiro nacional a ter painel digital

Em 1.989 no apagar das luzes da primeira fase, o Monza ganha injeção eletrônica de combustível e mais luxo numa série em homenagem ao piloto Emerson Fittipaldi, Monza 500 EF.

Chevrolet Monza EF 500 e o homenageado Emerson Fittipaldi

Monza EF 500 carro de patrão

Em 1.991 chega enfim a primeira e única grande reestilização do Monza e apesar de profunda na dianteira e traseira não corrigiu defasagens como por exemplo a “calha ” no teto algo antiquado e que os concorrentes mais jovens já haviam abandonado. por dentro mantinha o painel de 1.982 e apesar do Monza ainda ser um campeão de vendas dentro da Chevrolet, estava claro que os americanos já trabalhavam em algo novo.

Chevrolet Monza 1.991

Chevrolet Monza 1.991

Na Europa o projeto “j” batizado por lá de Ascona já havia sido substituído por um modelo bem mais moderno e afinado com os concorrentes dos anos 1.990, o nome dele era Vectra e ficava claro que era só uma questão de tempo para ele desembarcar por aqui o que aconteceu em 1.993. Com a chegada do Chevrolet Vectra todos imaginavam ser o fim do velho campeão, mas ele continuou firme e forte no mercado e foi perdendo o glamour e ficando cada vez mais simples. O Chevrolet Monza resistiu a primeira geração do Vectra, mas quando a Chevrolet lançou a segunda geração do Vectra era hora de dar o merecido descanso ao guerreiro, era o fim do Chevrolet Monza em setembro de 1.996, o maior sucesso da Chevrolet no Brasil e que mantem uma legião de fãs até hoje.

Chevrolet Monza um campeão de vendas

TODOS OS MOTORES DO MONZA

1.6 (Hatch/Sedan) (1982-1983)

  • Potência: 75 CV a 5.600 rpm (gasolina) e 72 CV a 5.200 rpm (álcool)
  • Torque: 12,4 kgfm a 3.000 rpm (álcool) 12,6 kgfm a 2.600 rpm (álcool)
  • Velocidade Máxima: 148 km/h (gasolina) e151 km/h (álcool)
  • Aceleração: 17s (gasolina) e 16,44 s (álcool)

1.8 (Hatch/SL) – (1983-1986)

  • Potência: 86cv a 5.400 rpm (gasolina) e 87cv a 5200 rpm (álcool)
  • Torque: 14,5 kgfm a 3.100 rpm (gasolina) e 15,2 kgfm a 3.100 rpm (álcool)
  • Velocidade Máxima: 159 km/h (gasolina) e 160,7 km/h (álcool)
  • Aceleração: 14,08s (gasolina) e 13,1s (álcool)

1.8 (SL/SLE/Classic) – (1987-1990)

  • Potência: 95cv a 5.800 rpm (gasolina) e 96cv a 5.600 rpm (álcool)
  • Torque: 14,3 Kgfm a 3.000 rpm (gasolina) e 15,1 Kgfm a 3.000 rpm (álcool).
  • Velocidade Máxima: 165,3 km/h (gasolina) e 162,6 km/h (álcool)
  • Aceleração: 12,5s (gasolina) e 12,8s (álcool)

1.8 (S/R – Álcool) – (1986-1988)

  • Potência: 106cv a 5.600 rpm
  • Torque: 15,6 kgfm a 4.000 rpm
  • Velocidade Máxima: 180 km/h
  • Aceleração: 11s

1.8 EFi (SL/GL/BARCELONA/CLASS/650) (1991-1996)

  • Potência: 98cv a 5.800 rpm (gasolina) e 99cv a 5.600 rpm (álcool)
  • Torque: 14,6 kgfm a 3.600 rpm (gasolina) e 16,0 kgfm 3.000 rpm (álcool)
  • Velocidade Máxima: 172 km/h (gasolina) e 174 km/h (álcool)
  • Aceleração: 12,5 (gasolina) e 12,1s (álcool).

2.0 (SL/SLE/CLASSIC/CLASSIC SE) – (1987-1990)

  • Potência: 99cv a 5.600 rpm (gasolina) e 110cv a 5.600 rpm (álcool)
  • Torque: 16,2 kgfm a 3.500 rpm (gasolina) e 17,3 kgfm a 3.000 rpm (álcool)
  • Velocidade Máxima: 165,3 km/h (gasolina) e 168,7 km/h (álcool)
  • Aceleração: 11,98s (gasolina) e 11s (Álcool)

2.0 (S/R – Álcool) – (1987-1989)

  • Potência: 110cv a 5.600 rpm
  • Torque: 17,3 kgfm a 3.000 rpm.
  • Velocidade Máxima: 178 km/h
  • Aceleração: 11,08s

2.0 EFi (SL/SLE/BARCELONA/HI-TECH/CLASS/CLUB/CLASSIC SE/GL/GLS) – (1991-1996)

  • Potência: 110cv a 5.600 rpm (gasolina) e 116cv a 5.400 rpm (álcool).
  • Torque: 16,6 kgfm a 3.200 rpm (gasolina) e 18,0 kgfm 3.200 rpm (álcool).
  • Velocidade Máxima: 177,4 (gasolina) e 183,1 Km/h (álcool).
  • Aceleração: 10,8s (gasolina) e 10,2s (álcool).

2.0 MPFi (500 EF – Gasolina) – (1990)

  • Potência: 116cv a 5.600 rpm
  • Torque: 17,8 mkgf a 3000 rpm
  • Velocidade Máxima: 187 km/h
  • Aceleração: 10,3s

2.0 MPFi (CLASSIC SE – Gasolina) – (1991-1993)

  • Potência: 121cv a 5 400 rpm
  • Torque: 17,6 mkgf a 3 000 rpm
  • Velocidade Máxima: 182 km/h
  • Aceleração: 10,7s

Câmbio: dianteiro, transversal, alavanca de mudanças no assoalho, cinco marchas à frente sincronizadas (manual) ou três marchas à frente (automática). Procedência: manual (lsuzu, Japão), automática (Hidramatic Division, EUA)

4 Marchas (1982) 5 Marchas (1983-1996) Automático (1985-1995)

VENDAS DO CHEVROLET MONZA

  • 857.810 modelos vendidos

Modelo Antigo (571.920)

  • 1982 – 33745
  • 1983 – 55090
  • 1984 – 70577
  • 1985 – 75240
  • 1986 – 81960
  • 1987 – 53460
  • 1988 – 70575
  • 1989 – 75749
  • 1990 – 55412

Modelo Novo (285.890)

  • 1991 – 59030
  • 1992 – 54305
  • 1993 – 66664
  • 1994 – 62994
  • 1995 – 31924
  • 1996 – 10973

 

FILHOS DO PROJETO J PELO MUNDO

Chevrolet Cavalier (EUA)

Opel Ascona (Alemanha)

Isuzu Aska (Japão)

Holden Camira (Austrália)

Vauxhall Cavalier (Inglaterra)

Cadillac Cimarron (EUA)

Oldsmobile Firenza (EUA)

Chevrolet Monza (Brasil)

Esta entrada foi publicada em história. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

4 respostas a Chevrolet Monza

  1. This was one of the best things I’ve ever seen.

  2. Its my destiny to pay a visit at this webpage Chevrolet Monza | and find out my required paragraph along with video demonstration, that YouTube video and its also in quality.

  3. My grand father always used to watch YouTube comical video lessons, hehehehehe, because he wishes to be happy forever Chevrolet Monza |.

  4. buy toms disse:

    Chevrolet Monza | Stunning story there. What occurred after? Good luck!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>